Google+ Followers

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Ser útil

Olá, tudo bem?
Tenho dito bastantes coisas que precedem a entrada do cantante na  "lida de cantante" (quando ele deixa de ser cantante de chuveiro e passa a abrir o cantar como uma habilidade importante a ser desenvolvida, como dormir, alimentar-se, caminhar).
Hoje coloquei três referências a serem tomadas como base ao exercício:
chorar - afeito aos sons graves que produzimos com nossa voz, quando o choro é profundo e nos sacia.
rir - afeito aos sons médios da nossa voz, com uma infinidade de variações melódicas e que só sacia quando bem gargalhado.
gritar - afeito aos sons agudos da nossa voz, imprescindíveis em nosso exercício de autolibertação (dos padrões, dos grilhões autoimpostos pela adultez).
A mistura destas três manifestações vocais primevas ajuda a dar forma ao canto.
O canto possui categorias, que vão das estridências mais "ardidas" aos mais puros matizes de tom (neste caso citei os cantores líricos como estando num dos extremos da estratificação, e que será árduo o trabalho de ombrear com eles - muita dedicação e estudo, que começa seriamente a partir dos 14-17anos, quando da entrada na puberdade, assim como será dificílimo adonar-se de certas técnicas de estridência usadas em algumas culturas).
Algumas técnicas vocais promovem longevidade à voz, outras limitam sua utilização.
Em geral, o cantante necessita adentrar os estudos musicais para bem utilizar sua voz de canto.
Falei também sobre contexto, sobre as canções fazerem parte do cotidiano de um cantante, como história de vida dele.
E então comecei a perguntar qual seria a canção do momento histórico que ora vivemos. E as pessoas trouxeram a necessidade do riso, de tornar mais leve tal momento.

Aposto nas canções "fibrosas", como Lá, da Ceumar, Milagre da Alegria, do Morais Moreira, Viva, do Kleiton e Kledir, Coração Civil, do Milton Nascimento e Cavaleiro de Jorge, do Caetano. Estão aí as minhas sugestões.

Na segunda-feira uma amiga me mostrou um CD que ela ganhou na empresa: o chefe saiu de setor em setor perguntando aos colegas qual a música significativa de 2013 para cada um. Anotou direitinho e montou um CD. No dia da confraternização, todos ganharam o CD, com as músicas preferidas do grupo. Um ótimo exercício de solidariedade.


Como a estrela ria, como a canção se fez
Como o amor me guia
Eu me guio só por vocês
Tanto serei criança
Tanto melhor a voz
Tanto serei quem dança
Quando a dança fizermos nós
Vai, vem tudo que o mundo tem
Só o que não se cansa
É a gente se querer bem.

 



Zimbabwe:
O nosso som é espiritual. Quando temos um problema, nós tocamos e cantamos. Essa comunicação com nossos ancestrais nos torna mais seguros, corajosos e preparados para enfrentar os obstáculos, que não são poucos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário